Yves Saint Laurent: 5 vezes que o estilista empoderou as mulheres!

História da moda

|

2 de agosto de 2021

|

Yves Henri Donat Mathieu-Saint Laurent nasceu em 1 de Agosto de 1936  em Orã, uma cidade que fica na  Argélia na época em que o país ainda era uma colônia francesa.

Se ainda estivesse vivo em 2021 o renomado estilista estaria completando 85 anos. YSL morreu no dia 1 de Junho de 2008  aos 71 anos em decorrência de um tumor cerebral.

Yves Saint Laurent foi um dos maiores estilistas da sua época e também do mundo todo. Ele revolucionou o mundo da moda  e também a forma como nós mulheres nos vestimos hoje.

Veja então 5 vezes que Yves Saint Laurent revolucionou a moda e empoderou as mulheres. 

1. O empoderador “Le Smoking”

O blazer feminino e a calça de alfaiataria, com toda a certeza são peças queridinhas de muitas mulheres hoje em dia. Seja seu estilo mais tradicional ou fashionista, tenho certeza que você deve ter aí no seu armário pelo menos um blazer para chamar de seu.

Contudo, nem sempre foi assim! No início do século XX, uma mulher usar calça e blazer era algo polêmico e mal visto pela sociedade, mesmo depois de Coco Chanel ter introduzido estes itens ao guarda roupa feminino. 

Em 2008, Pierre Bergé companheiro e sócio de Yves Saint Laurent fez o seguinte comentário sobre o ” Le Smoking”.

Gabrielle Chanel deu liberdade às mulheres. Yves Saint Laurent lhes deu poder”. 

Assim, em 1966 Yves Saint Laurent apresentou ao mundo o “Le Smoking“, peça que consistia em calças, camisa branca transparente e blazer, roupas que até então, apenas os homens usavam.

Como era de se imaginar, o Le Smoking chocou a sociedade da época, mas também foi um grande sucesso entre celebridades e modelos.

A socialite americana que foi expulsa de um restaurante por usar calças YSL

Em 1968, a socialite americana Nan Kempner curtia um dia de sol em Nova York quando teve uma desagradável surpresa.

Em frente a um famoso restaurante da cidade, o Le Côte Basque, Nam teve sua entrada no estabelecimento imediatamente negada.

O motivo? A socialite usava calças masculinas, na ocasião, o controverso “Le Smoking do estilista Yves Saint Laurent”.

Para conseguir entrar no restaurante, Nam teve que tirar as calças e entrar usando apenas o blazer que, por ser longo, ficou parecendo um vestido muito curto.

Ou seja, naquela época era inimaginável uma mulher usar calças e sem dúvida a criação de Yves Saint Laurent foi muito importante no movimento de libertação feminina.

Se hoje nós mulheres podemos  usar calças e blazer temos que dar graças a YSL e a icônica Coco Chanel. 

Yves Saint Laurent: 5 vezes que o estilista empoderou as mulheres!
O polêmico e empoderador “Le Smoking”! Foto: Vogue


Yves Saint Laurent: 5 vezes que o estilista empoderou as mulheres!

2. Ele libertou a cintura das mulheres

Se você não é muito fã de vestidos que marcam a cintura, então você pode agradecer a Yves Saint Laurent por não ter que sair por aí com vestidos tão apertados que certamente você não conseguiria respirar.

Em 1957, quando Christian  Dior morreu de um ataque cardíaco,  YSL foi nomeado diretor criativo da marca.

O então estilista já fez a sua estreia mostrando ao que vinha; revolucionar o guarda roupa feminino.

 Sua coleção de verão, a Trapeze foi um grande sucesso e teve direito até a ovação em pé.

 Afinal, esta coleção rompia com uma marca registrada da Dior desde a apresentação do New Look em 1947; vestidos de cinturas finas e marcadas. 

Em vez disso, a Trapeze apresentou vestidos mais fluidos e leves  que não marcavam a cintura, proporcionando mais liberdade e conforto a mulher.

Yves Saint Laurent: 5 vezes que o estilista empoderou as mulheres!

 3. Yves Saint Laurent foi o primeiro estilista a apostar no prêt à porter

Até setembro de 1966 quase não existiam boutiques prêt à porter em Paris e nem no mundo. 

Nesta época, a maioria dos estilistas trabalhava apenas com alta costura, ou seja, as roupas eram todas feitas a mão e apenas sob encomenda.

Com o intuito de popularizar mais a moda, YSL abriu pela primeira vez em Paris uma boutique prêt à porter, ou seja, uma loja como a conhecemos hoje, onde as roupas são industrializadas e feitas em série e por isso podemos chegar e comprá-las na hora. 

A boutique chamava-se Rive Gauche e ficava localizada na região de mesmo nome em Paris, na rue de Tournon, 21. 

Na Rive Gauche, YSL apresentava outras versões de suas peças de alta costura e viu a boutique como um laboratório de ideias. 

O  sucesso foi tão grande que ele acabou abrindo outras lojas em Nova York (1968) e em Londres (1969).

Saint Laurent Rive Gauche – La révolution de la mode | AnOther

4. Ele foi o primeiro estilista a contratar modelos negras para seus desfiles 

Além de empoderar as mulheres através de suas criações, Yves Saint Laurent era um homem revolucionário e muito a frente de seu tempo. 

Ele foi o primeiro estilista a contratar modelos negras para fazerem parte de seus desfiles e segundo a top Naomi Campbell foi ele que deu um empurrãozinho para que a modelo fosse a primeira modelo negra a estampar a capa de uma revista de moda.

Na ocasião da morte do estilista Naomi disse “Porque quando disse a ele ‘Yves, eles não irão me colocar na capa da Vogue francesa, eles não vão colocar uma garota negra na capa’, ele disse ‘vou cuidar disso’, e ele cuidou”.

Yves Saint Laurent: 5 vezes que o estilista empoderou as mulheres!
Naomi Campbell com o clássico “Le Smoking’

5. Yves Saint Laurent e a transparência nas peças

Se tem outro item que nós mulheres amamos são as camisas transparentes, não é mesmo?

Se você curte este tipo de camisa ou gosta de peças transparentes, mais uma vez você precisa agradecer à YSL.

 No final da década de 1960, quando a revolução sexual feminina estava no auge e a segunda onda do feminismo estava em voga, o estilista  incorporou em suas coleções blusas finas feitas de  organza e tops transparentes.

Seu intuito, mais uma vez, era promover a  igualdade entre os sexos. Em seus desfiles, as modelos desfilavam com os mamilos de fora ou com o sutiã à mostra, o que sem dúvida chocou bastante a sociedade da época.

Além disso, Yves Saint Laurent e Pierre Bergé seu sócio e companheiro foram o primeiro casal homossexual da França cujo relacionamento era assumido publicamente.

 (Foto:  )
Foto: Vogue

Sem dúvida, YSL foi um homem a frente de seu tempo e que deixou um legado inestimável

Seu legado não é composto apenas por vestidos, bolsas e sapatos de luxo, mas é principalmente composto por diversidade, liberdade e tolerância.

Quer saber mais sobre a história da moda? Então, leia também a história de outras maison francesas como a Louis Vuitton.

Compartilhar

INSTAGRAM.

Follow @inffino.oficial
@2021. Inffino by Projetual